top of page

Terra Indígena do Jaraguá (Tekoa Itakupe) e Parque Estadual Jaraguá

Terra Indígena do Jaraguá (Tekoa Itakupe) e Parque Estadual Jaraguá
Terra Indígena do Jaraguá (Tekoa Itakupe) e Parque Estadual Jaraguá

Horário e local

27 de jul. de 2024, 07:00 – 17:00

TI Jaraguá (Tekoa Itakupe) e PE Jaraguá, Av. Chica Luísa, 1041 - Vila Chica Luisa, São Paulo - SP, 05183-270, Brasil

Convidados

Sobre o evento

No dia 27 de julho, visitaremos a Terra Indígena do Jaraguá (Tekoa Itakupe) e o Parque Estadual Jaraguá (PEJ). A palavra "Jaraguá" tem dois significados: para os povos originários (indígenas), significa “Deus da Nuvem Branca”; para os invasores europeus, significa “Senhor dos Vales”. Essa característica é marcante no local, com formações geológicas que chegam a 1.135 metros de altitude, tendo o Pico do Jaraguá como o ponto mais alto da Cidade de São Paulo. É um atrativo natural único para o município.  

É possível encontrar uma rica biodiversidade de fauna e flora, como macaco-prego, tucano-de-bico-verde, bicho-preguiça, saguis, serelepe, palmeira-juçara, guapuruvu, ipê-amarelo, pau-brasil, pau-d’alho e um belíssimo jatobá com aproximadamente 500 anos.  

A Terra Indígena (TI) do Jaraguá é uma comunidade de costumes tradicionais dos povos originários da etnia Guarani M’bya, localizada na parte noroeste da cidade de São Paulo e sobreposta ao Parque Estadual Jaraguá, uma Unidade de Conservação gerida pelo Governo Estadual. Cerca de 1.000 indígenas moram na TI do Jaraguá, divididos em 8 aldeias: Tekoa Ytu, Tekoa Pyau, Tekoa Itakupe, Tekoa Itaverá, Tekoa Itaendy, Tekoa Yvy Porã e Tekoa Pindo Mirim.  

A Tekoa Itakupe é um dos núcleos familiares dos povos originários na TI Jaraguá, com aproximadamente 100 indígenas que resistem e preservam a natureza do território sagrado e ancestral, protegendo 72 hectares da especulação imobiliária, do garimpo ilegal e da apropriação cultural dos costumes, hábitos e modos tradicionais de viver.  

Na chegada à Tekoa Itakupe, seremos recepcionados por uma das lideranças e tomaremos um café da manhã tradicional com Tipá, mandioca, milho verde e peixe na brasa. Durante o café da manhã, haverá uma exposição e venda de artesanato Guarani. As mulheres são grandes representantes da resistência dentro da TI, responsáveis pela produção da arte tradicional e pela transmissão de conhecimentos às futuras gerações. O artesanato é uma das fontes de renda da comunidade, que utiliza miçangas para produzir colares, pulseiras e anéis, além de zarabatanas, apitos, flautas, animais talhados em madeira, arcos e flechas.  

Logo após o café da manhã, participaremos de uma Roda de Conversa com o Xeramoi (Pajé). A fala dos anciões é de extrema importância em qualquer cultura, sendo o Pajé o guardião dos costumes e tradições, e suas palavras fortalecem e mantêm viva a cultura ancestral.  

Após a Roda de Conversa, faremos uma Caminhada pela Floresta, visitando lagos construídos pelos povos originários, que recuperaram o fluxo de água de uma nascente e introduziram peixes nativos da região, garantindo alimento para a comunidade. Além dos lagos, conheceremos resquícios arqueológicos do período em que o território ancestral foi invadido pelos bandeirantes.  

Para finalizar as atividades na Tekoa Itakupe, assistiremos a uma apresentação do Coral Guarani. O canto é uma forma de transmitir os saberes ancestrais aos jovens, conectando-os com os mais velhos, e a música, dança e canto são acompanhados por instrumentos tradicionais.  

Valorizamos profundamente a cultura e os costumes das Comunidades Tradicionais, integrando-as em nossas atividades. A colaboração com as comunidades locais não é apenas uma parte do nosso trabalho, é o nosso maior compromisso com o Turismo de Base Comunitária.

Após as atividades na Tekoa Itakupe, visitaremos o Parque Estadual Jaraguá (PEJ), uma Unidade de Conservação de Proteção Integral com 492 hectares, abrigando um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica da Região Metropolitana de São Paulo. Antiga fazenda do ciclo do ouro e café, foi adquirida pelo Governo Estadual em 1939 e transformada em Parque Estadual em 1961.  

No PEJ, iniciaremos as atividades com uma visita ao Casarão Afonso Sardinha e ao Tanque de Lavagem de Ouro, construído por volta de 1580 pelo bandeirante Afonso Sardinha. Em seguida, faremos a Trilha do Silêncio, uma trilha adaptada para portadores de necessidades especiais, e conheceremos o Mirante e Pico do Jaraguá, o ponto mais alto da Cidade de São Paulo, com uma vista panorâmica da cidade.

Ingressos

  • À partir

    Via PIX não tem cobrança de Taxa de serviço. Chave PIX - CNPJ. 16.926.961/0001-61 O Bicho Biotrips Ecoturismo LTDA.

    R$ 320,00
    Taxa de serviço de R$ 8,00

Total

R$ 0,00

Compartilhe esse evento

bottom of page